Destarte, #3 – O futuro da Poesia

Buscando as “trilhas” do leitor de Poesia, provocando – como o fizeram Vilém Flusser e Franklin de Oliveira, no passado; e o faz hoje Goiandira Ortiz e sua equipe da “Rede Goiana de pesquisa em leitura e ensino de poesia”.

Leveza e Esperança

LEIA minha coluna desta sexta-feira, excepcionalmente não publicada na quinta-feira —, em virtude do evento de lançamento do meu “Frágil armação”(2a. edição), editado por Livraria e Editora Caminhos.
Clique no link para ler na íntegra.
Destarte 15 09 2017

Ver o post original

Começou a pré-venda de “Frágil armação”, 2a. edição

32 anos do meu livro de estreia na Poesia…Pré-venda de “Frágil armação”

Leveza e Esperança

TENHO o prazer de repercutir o anúncio da Editora Livraria Caminhos de início da pré-venda de meu livro “Frágil armação” – 2a. edição, revisada por mim.

Clique no link para aproveitar a oferta de pré-lançamento.

Pré-venda Frágil Armação Canva 2

Ver o post original

“Destarte” estreia em Opção Cultural

“DESTARTE” (estreia) em Opção Cultural (Goiânia) com a análise de “Joana, relapsa e santa”, de Georges Bernanos, É Realizações, trad. Pedro Sette-Câmara.

Leveza e Esperança

Um dos propósitos de 2017 – produtividade em torno dos escritos sobre Arte, literatura e idéias (assim mesmo, pré-Acordo ortográfico), realizado com a generosidade do editor geral do Jornal Opção, o amigo Euler de França Belém — de Goiânia (GO).

Leiam e divulguem em seus círculos de amigos.
Clique na figura abaixo para continuar lendo a coluna.

Coluna Destarte_nr.1.JPG

Ver o post original

Dos “Cadernos de Sizenando”- 2

Raïssa et Jacques MARITAIN, esperança e infância perdida…

Leveza e Esperança

Anotações de leituras.

Em 2006, passei boa parte do ano lendo o casal Raïssa e Jacques Maritain.
As notas de leitura são ilegíveis, mas têm para mim um significado muito especial.

Agora mesmo, trabalhando num novo livro de poemas, retomei temas que nasceram lá em 2006, com o casal Maritain, como a extensão deste verso de Raïssa, citado pelo companheiro Jacques:

“La douler m´a ravi mon enfance
Je ne suis pus qu´une âme en deuil de sa joie
Dans la terrible et stricte voie
Où vit à peine l´Espérance.”
+++++
Raïssa M., De Profundis, lettre de nuit, 1939.*

Leitura de Raissa Maritain, De ProfundisNotas a leitura de Maritain_Da graça e da humanidade de Cristo 1Notas a leitura de Maritain_Da graça e da humanidade de Cristo

(*) Tradução minha:
“A dor raptou a minha infância
Não sou senão uma alma em luto por sua perdida alegria
E nessa tremenda e estreita via
É onde se vive apenas de Esperança.”

A dor da infância de Raïssa tem a ver com a dor escondida, jamais declarada que perpassou minha própria…

Ver o post original 172 mais palavras

Adeus a J.O. de Meira Penna (14/3/1917-29/7/2017)

Adeus ao liberal J.O. de Meira Penna (1917-2017), um pensador da psicologia do brasileiro.

Leveza e Esperança

O adeus! a Meira Penna.

O pacto de silêncio em torno da obra deste grande brasileiro, falecido ontem com a idade de um século, parece rondar até sua própria morte. É fato. A cobertura é defeituosa e indevida para a dimensão da personagem – Meira Penna, mas a imprensa de viés esquerdista não quer saber sobre os livros, o pensamento e, tampouco, sobre o obituário se desconhecem (ou desdenham o autor por sentirem-se opostos no plano das ideias) – desconhecem “o nariz do morto“…

Primeiro soube da notícia por mídias alternativas – O Antagonista, o blog do Rodrigo Constantino na Gazeta do Povo e, na mídia tradicional, um obituário pobre em O Estado de São Paulo.

Assim cobriram a morte de J.O. de Meira Penna (veja fotos e notas abaixo).
Mas, antes, a quem interessar possa, meus dois livros favoritos, disponíveis em pdf nos links que se seguem.

Ver o post original 132 mais palavras