Bernardo de Claraval, guia da Cristandade (2)

Bernardo de Claraval.

Adalberto de Queiroz

As lições das cartas de Bernardo, via professor-medievalista Rodrigo Costa.

Bernardo escrevendo
“Eu somente posso aconselhar que você anteponha a amizade a todos os interesses humanos, pois não há nada mais apropriado à natureza nem mais necessário para a vida, tanto nos momentos favoráveis quanto nos adversos. A amizade não é senão uma harmonia entre todas as coisas, tanto divinas como humanas, acompanhada pela benevolência e pela estima; creio verdadeiramente que, excetuando a sabedoria, não há nada melhor das coisas outorgadas pelos deuses imortais ao gênero humano.

“Há gente que antepõe as riquezas; outros, a boa saúde; outros, o poder; outros, as honrarias. Muitos também colocam os prazeres. Esses últimos são como as bestas, enquanto as outras opções são caducas e incertas, e dependem não tanto de nossa eleição como da inconstância da Fortuna.

“Contudo, há aqueles que colocam o bem supremo na virtude – e estes obram verdadeiramente muito bem –…

Ver o post original 39 mais palavras

Posts curtos

O burrico e eu, com Ursulino Leão e J. M. Jimenez (um poema).

Adalberto de Queiroz

Da série “Gênese de um livro”
Os Bichos (VII) –

O burrinho

À Ursulino Leão.

Platero e eu*” é história antiga
de quando os animais falavam;
quem ma contou foi Ursulino –
por Leão de sobrenome, mas
d’alma um cordeiro cativo.

No dia de seu octogésimo ano
nós, seus leitores brindados
c’oa história de um burrinho
queimado e malhado na testa;
burrinho de pernas rajadas
e de alma bíblica completa.

O burrinho da crônica além
de clone do jumento do Cristo
milênios antes em Jerusalém –
nos encantava com seu dístico:

Dá-nos u’a “nesga de satisfação
na caligem dos nossos pesares”

Do burro xucro de meus dias
aprendi que escoicear o vento
inseparável companheiro cria
aos pobres, aos fracos intentos

de nossas bocas de infantes
um mundo de hosanas e vivas
Platero e eu; eu e Platero
congresso de vida refazemos

E saio da história do amigo
desejoso…

Ver o post original 118 mais palavras

A gênese de um livro (V)

Mais um draft dos poemas novos, 2017.

Adalberto de Queiroz

Poema de hoje, 04 de março de 2017.

Este poema (ainda em rascunho) nasceu da releitura de Daniel, 4, sob a inspiração de Robert Graves. Creio que posso chamá-lo de “meu Nabucodonosor”, mas preferi intitular de “A Queda (I)” – intuindo que outras versões virão e continuações, pois o mito é tremendo.ilustra-nabucodonosor
Clique na figura ao lado para ler o poema.

Ver o post original