Destarte, #3 – O futuro da Poesia

Buscando as “trilhas” do leitor de Poesia, provocando – como o fizeram Vilém Flusser e Franklin de Oliveira, no passado; e o faz hoje Goiandira Ortiz e sua equipe da “Rede Goiana de pesquisa em leitura e ensino de poesia”.

Leveza e Esperança

LEIA minha coluna desta sexta-feira, excepcionalmente não publicada na quinta-feira —, em virtude do evento de lançamento do meu “Frágil armação”(2a. edição), editado por Livraria e Editora Caminhos.
Clique no link para ler na íntegra.
Destarte 15 09 2017

Ver o post original

Começou a pré-venda de “Frágil armação”, 2a. edição

32 anos do meu livro de estreia na Poesia…Pré-venda de “Frágil armação”

Leveza e Esperança

TENHO o prazer de repercutir o anúncio da Editora Livraria Caminhos de início da pré-venda de meu livro “Frágil armação” – 2a. edição, revisada por mim.

Clique no link para aproveitar a oferta de pré-lançamento.

Pré-venda Frágil Armação Canva 2

Ver o post original

“Destarte” estreia em Opção Cultural

“DESTARTE” (estreia) em Opção Cultural (Goiânia) com a análise de “Joana, relapsa e santa”, de Georges Bernanos, É Realizações, trad. Pedro Sette-Câmara.

Leveza e Esperança

Um dos propósitos de 2017 – produtividade em torno dos escritos sobre Arte, literatura e idéias (assim mesmo, pré-Acordo ortográfico), realizado com a generosidade do editor geral do Jornal Opção, o amigo Euler de França Belém — de Goiânia (GO).

Leiam e divulguem em seus círculos de amigos.
Clique na figura abaixo para continuar lendo a coluna.

Coluna Destarte_nr.1.JPG

Ver o post original

Adeus a J.O. de Meira Penna (14/3/1917-29/7/2017)

Adeus ao liberal J.O. de Meira Penna (1917-2017), um pensador da psicologia do brasileiro.

Leveza e Esperança

O adeus! a Meira Penna.

O pacto de silêncio em torno da obra deste grande brasileiro, falecido ontem com a idade de um século, parece rondar até sua própria morte. É fato. A cobertura é defeituosa e indevida para a dimensão da personagem – Meira Penna, mas a imprensa de viés esquerdista não quer saber sobre os livros, o pensamento e, tampouco, sobre o obituário se desconhecem (ou desdenham o autor por sentirem-se opostos no plano das ideias) – desconhecem “o nariz do morto“…

Primeiro soube da notícia por mídias alternativas – O Antagonista, o blog do Rodrigo Constantino na Gazeta do Povo e, na mídia tradicional, um obituário pobre em O Estado de São Paulo.

Assim cobriram a morte de J.O. de Meira Penna (veja fotos e notas abaixo).
Mas, antes, a quem interessar possa, meus dois livros favoritos, disponíveis em pdf nos links que se seguem.

Ver o post original 132 mais palavras

Destino palavra

Poesia em exposição. “Destino palavra”. “Se o poeta tiver a possibilidade de expandir os horizontes, não lhe perdoaremos que se limite à estreiteza. Para que seu destino se cumpra, é necessário viajar. Pôr os pés na estrada com ousadia, desvendando os mistérios do caminho, descobrindo em cada porto o amor e a solidão, em cada estadia os sabores variados da realidade, e tudo fruindo, transformar posteriormente em discurso poético. Eis o espírito que atravessa a obra Destino Palavra, do poeta goiano Adalberto de Queiroz. Na peregrinação que permeia as páginas do livro, Queiroz revisita os tempos de infância, evocando o menino-poeta que, então, somente poderia ansiar as terras distantes a que se arrojaria no futuro.” (cf. Gabriel Viviani, Dimensões da viagem em Destino palavra, de Adalberto de Queiroz.

Leveza e Esperança

Ver o post original