“Virgílio, o pai do Ocidente”

Virgílio, Poeta mais que bimilenar.

Leveza e Esperança

  No centro da Poesia Ocidental
está Virgílio, o poeta insuperável

Para ler o artigo completo, clique na figura abaixo.

Destarte 21 NOV 2017.PNG

(*) Fontes consultadas para este artigo:Bucólicas_Capa edição UnB.jpg

[1] VIRGÍLIO. “Bucólicas”; trad. e notas de Péricles Eugênio da Silva Ramos; introdução: Nougueira Moutinho, ilustr. Marcelo Lima. — São Paulo : Melhoramentos; [Brasília] : Ed. Universidade de Brasília. Col. Clássicos da UnB. 1982, pág. 23 et passim.

[1] MACY, John. “História da literatura mundial”. Tradução de Monteiro Lobato – Cia. Editora Nacional, S. Paulo, s/data de publicação.

[1] (Franklin de Oliveira, “Entrada no alumbramento”, introdução à edição brasileira de “A morte de Virgílio, Broch, Editora Nova Fronteira, 1982).

[1] Écloga I, 27: “A Liberdade que me viu ocioso, tarde embora…” (Libertas, quae sera tamen respexit inertem”), ob. cit. pág. 35.

[1] “fugit irreparabile tempus”: “Foge o irreparável tempo”.

[1] De “Henriqueta Lisboa: Melhores poemas”, seleção de Fábio…

Ver o post original 4 mais palavras

Érico Nogueira, post curtos (i)

ÉRICO NOGUEIRA – poetas brasileiros do século XXI (i)

Leveza e Esperança

Ele tem 38 anos e um doutorado em Letras. É de Bragança Paulista (SP). Foi finalista do Prêmio Jabuti em 2015. É polemista e tradutor; deve torcer pro Bragantino. Odeia o desAcordo Ortográfico; lê e escreve em Latim;  foi próximo de Bruno Tolentino; leu todo o Kant e escreveu um livro inteiro “sobre” os últimos poemas de Hölderlin; gosta de Lucano e Horácio; de Olavo de Carvalho e deve gostar de seu (dele) editor, Edson Filho, da É Realizações; detesta poesia “cocô-de-cabrito” que praticamos eu e tu (você, vai! diria o Professor Nogueira, apaixonados que somos por Cabral; e dessa epigonia, de poetas e críticos pós-cabralinos, desfiliou-se há tempos…/”Quanto à cena poética brasileira, o prestígio internacional da poesia de Tolentino reabriu espaço para uma poesia mais filosófica e menos social, mais lírica e menos seca — mais clássica, em suma, e menos comprometida com a rigidez das vanguardas.” Nogueira pratica uma “Arte…

Ver o post original 206 mais palavras

Nelson Ascher traduz Emily Dickinson

Nelson Ascher – traduções (novas) de poemas de Emily Dickinson . Vale conferir, se é (ou virá a ser) leitor da poetisa norte-americana…

Leveza e Esperança

O Estado-da-Arte de “O Estado de São Paulo” Nelson-Ascherpublicou hoje alguns poemas de Emily Dickinson traduzidos por Nelson Ascher.

Ascher já nos havia brindado com as traduções de poetas húngaros. É uma coisa sofisticada e quase impossível para 90.1% de nós brasileiros, presos à “última flor do Lácio”, incapazes quase de nos aventurarmos por outros idiomas.

Da Húngria, já se sabe, veio o mestre dos tradutores brasileiros — o sr. Paulo Rónai. A ele devemos o melhor dicionário Francês-Português-Francês do século XX; a ele devem todos (ou pelo menos 99.9%) dos tradutores brasileiros.

Ele bate em “A tradução vivida” naquela ideia que virou “um surrado trocadilho italiano traduttori-traditori” que “deixou a pecha da infidelidade aos cultores do ofício; prefiro “o chiste, de atribuição incerta [seg. Rónai] de que “as traduções são como as mulheres: quando fiéis, não são bonitas; e quando bonitas, não são fieis.”

Que os meus seis leitores…

Ver o post original 129 mais palavras

Giacomo Leopardi (1), a poesia consoladora…

GIACOMO LEOPARDI, Além do pessimismo, a “poesia consoladora” — ensaio (crônica) literária em Opção Cultural (Goiânia)

Leveza e Esperança

Feliz por completar doze semanas da coluna DESTARTE em Opção Cultural (Goiânia).

Fique à vontade para enviar suas sugestões de pauta para meu email: betoq55@gmail.com
Abraços do Beto.
(*)Clique na figura abaixo para ler a minha crônica literária.
Destarte Capa de 10 NOV 2017.PNG

Ver o post original

Kazuo Ishiguro (I)

Coluna Destarte – destaque para o prêmio Nobel de Literatura 2017, Kazuo Ishiguro.

Leveza e Esperança

Para ler a coluna DESTARTE de hoje, 02 NOV 2017, peço ao distinto leitor que clique na imagem abaixo que o levará ao link do Jornal Opção Cultural (Goiânia). Dedico-me a entender as conexões do romance “O gigante enterrado” (Kazuo Ishiguro, 2015) – Nobel de 2017; e as relações entre esquecimento e a paz (entre os casais e as Nações). Aproveite, dileto Leitor.
Obrigado.

Destarte 02 NOV 2017 Destarte, 02 NOV 2017

Ver o post original

Jorge Luis Borges (1)

BORGES é meu tema em “Destarte”, coluna de Jornal Opção Online, toda quinta-feira. Confira!

Leveza e Esperança

EM Destarte, coluna do Opção Cultural Online, desta quinta-feira, 19, escrevo sobre Borges.

SE “somos versículos, palavras ou letras de um livro mágico, e esse livro incessante é a única coisa que existe no mundo; ou melhor dito: é o mundo…” (conforme Léon Bloy, citado pelo próprio Borges) — ele, Borges, é um capítulo único e desafiador desse livro coletivo que se escreve com sofreguidão abaixo do Equador.
Jorge Luis Borges.jpg

Segundo Carpeaux, Borges “integrou os elementos irracionalistas do criacionismo num sistema filosófico cuja tese principal é o caráter cíclico do Tempo e, portanto, a reversibilidade de todos os acontecimentos. Mas em vez de um tratado de metafísica, escreveu contos filosóficos, as “ficciones” altamente fantásticas, engenhosamente construídas e baseadas em notas eruditas diabolicamente inventadas, com a ajuda de toda a erudição fabulosa de que Borges dispõe realmente. É uma arte das mais requintadas, algo fria e desumana, sempre fascinante:…

Ver o post original 17 mais palavras

Um manjar cultural à italiana

Você é convidado a conhecer a minha coluna “Destarte”, onde escrevo sobre Arte, ideias e fé. Neste artigo, continuo divulgando meu diário da viagem à Toscana, com ênfase nas artes plásticas.

Leveza e Esperança

Nessa edição da coluna DESTARTE, em Opção Cultural, escrevo sobre o impacto das artes plásticas e do encontro direto com Sandro Boticelli e Leonardo, na Galeria Uffizi.

Para ler o artigo, clique no link abaixo das fotos.

DESTARTE – Opção Cultural.

Ver o post original

Destarte, #3 – O futuro da Poesia

Buscando as “trilhas” do leitor de Poesia, provocando – como o fizeram Vilém Flusser e Franklin de Oliveira, no passado; e o faz hoje Goiandira Ortiz e sua equipe da “Rede Goiana de pesquisa em leitura e ensino de poesia”.

Leveza e Esperança

LEIA minha coluna desta sexta-feira, excepcionalmente não publicada na quinta-feira —, em virtude do evento de lançamento do meu “Frágil armação”(2a. edição), editado por Livraria e Editora Caminhos.
Clique no link para ler na íntegra.
Destarte 15 09 2017

Ver o post original